15 de out de 2010

Te amo com a memória, imperecível.

[...]
Aprendo. Te aprendo, homem. O que a memória ama fica eterno. Te amo com a memória, imperecível.
[...]
Assim, te amo do modo mais natural, vero-romântico, homem meu, particular homem universal.
[...]

~ Adélia Prado ~

Nenhum comentário: