22 de jun de 2008

Catarina a Camões

(...)
VI
Mas – ai de mim! – tu não me vês senão
Nos pensamentos teus de amante ausente,
E sorrindo talvez, sonhando em vão,
Trás o abanar do leque levemente;
E, sem pensar,
Em teu sonhar
Iras talvez dizendo sempre ao vê-los:
O lindo ser dos vossos olhos belos,
(...)
Elizabeth Barret Browning (Tradução de Fernando Pessoa )

Nenhum comentário: