29 de abr de 2010

“Emoções indefiníveis me agitam — inquietação terrível, desejo doido de olhar,
 de tagarelar novamente com Madalena, como fazíamos todos os dias, a esta hora. Saudade?
Não, não é isto: é antes desespero, raiva, um peso enorme no coração.”


Do romance “São Bernardo, de Graciliano Ramos

Nenhum comentário: