14 de mai de 2010

" Importuna Razão, não me persigas;
Cesse a ríspida voz que em vão murmura,
Se a lei de Amor, se a Força da ternura
Nem domas, nem contrastas nem mitingas.
Se acusas os mortais, e os não obrigas,
Se, conhecendo o mal, não dás a cura,
Deixa-me apreciar minha loucura;
Importuna Razão, não me persigas."

Bocage

Nenhum comentário: