18 de mar de 2012

Sábado chuvoso


Estranha poesia,
que surge em meu âmago
neste sábado chuvoso ....
Sussurrando aos meus ouvidos teu nome ...
Uma música que não é nossa ...
Neste silêncio que já é teu
Meus dedos
(acostumados ao piano)
Tentam extrair destas teclas,
A música que ainda não existe...
Penso em teus olhos
(que desconheço)
Em teus cabelos
(que jamais vi)
Então me lembro....
Nada sabes de mim também ...
Dos meus cabelos castanhos
Desmanchados sobre os ombros
Nesta manhã solitária ...
Dos meus lábios grossos
Escondendo o sorriso
(que está à tua espera)...
Do meu olhar escuro,
Perdido na intensidade destas lágrimas ...
Minha alma se esvai ....
Tentando ir ao encontro da tua ...
(Estranha poesia,
que surge em meu âmago
neste sábado chuvoso ....)

L.B.

Um comentário:

Vera disse...

Interessante seu poema, pois muitas vezes senti-me assim, estranhamente humana e solitária, porém com a certeza de quem em algum lugar, uma pessoa especial estava a minha espera. Um beijo e parabéns pelas belas palavras.